Ateliê de Figurino e Brechó Piollin

Dividindo o mesmo espaço, ambos se referem à indumentária e aos adornos tanto de espetáculos, quanto pessoais, de forma que disfarces, fantasias e roupas sóbrias convivem num mesmo lugar. A diferença é que uma é utilizada para dar corpo e encher os olhos quando das atividades artísticas do Centro Cultural e a outra para manter financeiramente estas atividades e conferir novo uso a peças já esquecidas nos armários. É, assim, um espaço de ensino-aprendizagem incentivando o toque em diferentes texturas, a costura, o reparo, o cuidado, modo de se ver e ser visto, a reafirmação da identidade.

Com funcionamento de segunda a sexta-feira, de 14h às 17h, neste espaço também se vendem roupas, calçados e acessórios a preços diminutos, provenientes de contribuições de pessoas físicas, empresas e instituições parceiras. Além disso, também são vendidas obras de artes visuais como fotografias, pinturas, xilogravuras e desenhos no precinho!

Biblioteca Comunitária Piollin

Em funcionamento desde 03 de agosto de 2012, a Biblioteca Comunitária Piollin compreende o único acervo de publicações na área circense da Paraíba. O espaço, aberto ao público, abrange mais de cinco mil obras que também envolvem os temas de dramaturgia, artes visuais, música, fotografia, literatura brasileira e estrangeira voltadas ao público infantil e juvenil.  O espaço funciona de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h.

Os livros, por sua vez, são continuamente renovados por meio de compras, bem como contribuições de professores, instituições e autores com obras em lançamento – sendo o Instituto Soma Brasil e O Sebo Cultural importantes colaboradores. Além de disponibilizar este material, a biblioteca também tem como ações pedagógicas de incentivo à leitura as contações de histórias, as rodas literárias e os saraus poéticos.

As obras estão disponíveis a qualquer interessado, desde que tenha ficha de inscrição na biblioteca, sendo necessários documento de identificação e comprovante de residência. Em caso de moradia no bairro do Róger, a inscrição é gratuita; já para moradores de outros bairros é cobrada uma taxa simbólica para manutenção do espaço.

Casa Grande

A Casa Grande é um imóvel remanescente do antigo Engenho Paul, edificado no ano de 1856, que tinha como principal atividade a produção de açúcar e rapadura na capital paraibana. O lugar – que faz parte do complexo arquitetônico Centro Cultural Piollin juntamente com o atual Teatro Piollin e salas de aula, cozinha, refeitório e administração – foi tombado em 2005 pelo Governo do Estado, através do Decreto Homologatório nº 25.689, de acordo com solicitação do Conselho Deliberativo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep), de maneira a reconhecer o valor histórico, natural e cultural do equipamento.

O espaço foi restaurado entre outubro de 2012 e junho de 2013, de acordo com projeto do arquiteto Marcos Santana, de maneira que se reconstruiu a área lateral e teve substituídos o madeiramento, as telhas, toda a rede elétrica, aprimorando a utilização do espaço para espetáculos de artes cênicas e eventos diversos. Parte do financiamento foi obtida através do show solidário realizado por Chico César em agosto de 2012, que destinou a renda da bilheteria do show à organização, que cobrindo boa parte dos custos com a mão de obra. O Governo do Estado da Paraíba colaborou com a madeira, telhas e material elétrico.

Cozinha e Refeitrório

Reformados entre 2012 e 2013, a cozinha e o refeitório contam com duas profissionais para merenda e uma para serviços manutenção que atuam  na elaboração do cardápio para refeição diária dos educandos e colaboradores após as atividades das oficinas permanentes. Semanalmente, o Centro Cultural recebe contribuições materiais do Banco de Alimentos do Sesc, através do Mesa Brasil, e da Prefeitura Municipal de João Pessoa. A horta cultivada na oficina de Permacultura também incrementa os pratos, de maneira a fornecer condimentos e a autoestima do cultivo próprio.   

O refeitório é tido como área de socialização e compartilhamento dos alimentos, de forma que os que utilizam o espaço são responsáveis pelo cuidado com este. Uma atividade diária é a disponibilização voluntária dos educandos, quando do momento do Boa Tarde, para colaboração na lavagem, secagem e armazenamento dos pratos, talheres e copos.

Canteiros Piollin

Os canteiros são espaços que remontam ao cuidado com o lugar Piollin, que abrangem jardim e horta, bem como o complexo externo do Piollin em geral. Incentiva o princípio de pertencimento através do cuidado com a terra, dos modos de fazer através da utilização e armazenamento dos instrumentos, acompanhamento, manutenção do crescimento e colheita de sementes e plantas. Neste sentido, além do estímulo da oficina de Permacultura, há a ideia da iniciativa própria para manter o lugar em harmonia, no sentido de recolher o lixo, manter os lugares limpos e as plantações úmidas. São práticas para que os olhos repousem e tranqüilizem a mente com o intuito de seguir com as demais atividades.

Galpão Escola Piollin

Com a proposta inicial de abrigar o Teatro Piollin, o Galpão foi erguido na década de 1980, sendo palco de uma das primeiras apresentações do espetáculo “Vau da Sarapalha”, em 1992, do Piollin Grupo de Teatro. Em seguida, o teatro foi estruturado em outra área – naquela do bangüê do antigo Engenho Paul –, de maneira que o uso dado ao galpão ficou como armazenamento de figurino e demais materiais da instituição.

De outubro a dezembro 2013, foi realizada uma campanha de financiamento colaborativo através da plataforma Benfeitoria, que contou com 150 colaboradores e com a contribuição do Ministério Público do Trabalho da Paraíba (MPT), favorecendo à arrecadação do montante necessário para recuperação do teto e piso do espaço. O lugar foi pintado por colaboradores e educandos, sendo grafitado por Cyber, Giga Brow, Santiago, Shiko, Witch e tantos outros (nosso diário agradecimento!).

Inaugurado em 16 de agosto de 2014, a euforia da conclusão desta etapa foi animada pela apresentação musical de Seu Pereira e Coletivo 401, DJ Chico Correa e DJ Naza, como parte da programação Teatro A Gosto, promovida pelo Grupo Graxa de Teatro, residente do Centro Cultural. A ideia é de que o Galpão se estruture enquanto uma escola técnica de circo, de maneira a estimular a prática do circo social na Paraíba em intercambio com tantas outras iniciativas similares.

Estação Digital

Localizada ao lado da Biblioteca Comunitária Piollin, a Estação Digital foi estruturada em 2012 para realização de cursos de informática e seguiu a partir da colaboração do Instituto Idear em parceria com a Fundação Banco do Brasil, que disponibilizou internet e 10 computadores advindos de metarreciclagem. Atualmente, a estação é utilizada para realização da oficina de Arte da Palavra e consultas eletrônicas.

A projeção é de que, com a convocação do Piollin neste ano de 2015 por meio do edital de Pontos de Cultura de João Pessoa para realização de convênio, a Estação ganhe novos computadores e volte a funcionar como núcleo de atividades digitais junto as atividades da referida oficina.

Parquinho e Roda do Boa Tarde

Este lugar é composto pela casinha – que contém o escorrego liberador de altas doses de endorfina quando da descida rápida e das constantes vãs tentativas de subida em desafio à gravidade –, pelos balanços vai-e-vem nas alturas tranquilas (ou com emoção) e pelos bancos de troncos de árvore dispostos em círculo, onde se realiza a roda do Boa Tarde para iniciar as atividades. Este é o lugar de encontro diário antes da prática das oficinas permanentes, onde se conversam frivolidades e seriedades; onde acontecem os compartilhamentos de informações necessárias à comunicação entre educandos, educadores e colaboradores; onde se acolhe quem chega e não conhece a organização. Este espaço tem, inclusive, uma vista ótima para o céu diurno e noturno, entrecortado pela sombra quando necessária e pelo farfalhar das árvores.

Sala de Artes Plásticas

Este lugar é propício para desenvolver atividades de pintura, modelagem e atividades manuais em geral, sendo normalmente utilizada para oficinas de desenho, pintura, xilogravura, confecção de máscaras, por exemplo.

Sala de Corpo

Espaço amplo para práticas de exercícios corporais e ensaios cênicos, sendo equipado com chão de madeira e barras apoio para realização destas atividades.

Teatro Piollin

Localizado na área bangüê do antigo Engenho Paul, é parte da área tombada pelo IPHAEP/Governo do Estado da Paraíba em 2005, homologado enquanto patrimônio oficial a partir do decreto nº 25.689. A última reforma do espaço ocorreu entre 2002 e 2004, realizada com recursos do Fundo Municipal de Cultura (FMC) de João Pessoa e colaboração da Oficina Escola, compreendendo restauro e adaptação para viabilização de seu funcionamento atual.

Após a restauração e adaptação ao funcionamento do Teatro, em 2005 é palco para mostra dos trabalhos realizados nas oficinas do Centro Cultural e, em 2006, é lugar de estreia e temporada de “A Gaivota”, montagem do Piollin Grupo de Teatro. Em 2007, se configura como espaço para apresentações comemorativas dos 30 anos do Projeto Piollin e em 2012, 2013 e 2015, para o Projeto Teatro Piollin – este último contou com uma programação regular de espetáculos de teatro da cidade de outras regiões do país. De lá para cá o lugar acolheu e acolhe apresentações de projetos de outras companhias e grupos. Atualmente este espaço é gerido pelo Piollin Grupo de Teatro (www.piollingrupodeteatro.com).